Simplesmente escreva…

Como responder a uma doce e ingênua pergunta de quem pede para dar algumas dicas sobre a escrita?! Sei apenas de uma coisa, jamais irei deixar de estender minhas mãos, aliás, elas sempre foram protagonistas da Oficina de Redação. É como escreveu Rubem Alves, a mão grande que segura a mão pequena traduz muito afeto, carinho, atenção e é assim que procuro atender e compreender insistentes pedidos para que em alguns meses, semanas, dias e até mesmo algumas horas percebam que o texto é muito mais que isso. Longe de mim!!! Querer explicar que precisamos criar o hábito da escrita?! Nem pensar!!! Ao longo do tempo, os meninos percebem, e é neste instante que o aprendizado acontece. É quando você se dá por satisfeito em compreender o porquê daquele risco vermelho sem existir a vergonha da cor rubra ou mesmo trauma, mas sentir o prazer de compreender o que originou aquele risco e de até mesmo perceber que não há necessidade de riscos e sim de ricos aprendizados que vem graças à superação das dificuldades, claro, que só existem não por causa do 10 (dez) ou do Excelente, mas sim pelo entendimento que o faz superar estas dificuldades. Sei que é complicada esta questão de notas, afinal nos criamos e entramos na vida adulta querendo ser dez em tudo como se só isso fosse nos transformar num ser capaz e hábil para exercer a nossa cidadania. E lá pelas tantas esquecemos de que o 10 (dez), a excelência, é para quem busca, verdadeiramente, o aprendizado e consegue fazer da sua vida não apenas uma coleção de notas 10, mas faz realmente valer, quem sabe, pelo menos tentar encontrar uma alternativa para todos nós melhorarmos enquanto ser humano, por exemplo?! Sugiro também que comecemos tudo isto em casa, valorizando as pessoas que estão em nossa volta e se estão não é por nada e nem por acaso, sem dúvida, é por uma nobre causa… Tudo bem, tudo bem!! Quero dizer que as notas existem por uma série de convenções como a homenagem do melhor aluno, do melhor dançarino, a eleição de uma miss…O mais interessante e o que enriquece a alma é saber o que fazer com tudo isso.

Confesso a vocês que sou o homem de todas as notas, contudo procuro ser um educador de uma nota só, cujo tom insiste em mostrar a maneira, a forma, diria, de um rico aprendizado para que o menino, ainda que experimente todas as notas, saiba onde pecou e por que errou. Esta é a melhor parte do aprendizado. E ao citar e afirmar que a mão grande que segura a mão pequena traduz bons sentimentos, é bem verdade. Também é fato que elas podem ou não dispensá-los desta mesma maneira, desta mesma forma… Mas prefiro mesmo é pensar nos bons e velhos sentimentos, afinal eles constroem e cuidam da nossa vida para que não passemos despercebidos sem o saber e sem o querer saber. Esta é a melhor parte da vida. Então, converse comigo?! escreva para mim?! não, não!! simplesmente escreva.

Gilberto Lopes Bastos Júnior